terça-feira, 27 de dezembro de 2011



                      EJACULAÇÃO FEMININA 




                          As mulheres também podem ejacular?


Você está lá no bem bom como seu gato e, de repente, no meio da transa você sente um líquido correr pelas suas pernas e acha que é xixi? Calma, você não está com incontinência urinária.
 Isso se chama ejaculação feminina ou Squirt (esguicho, em inglês) , como a prática é conhecida mundo a fora. 


É, para quem acha que uma “boa gozada” é prerrogativa iminente dos homens, animem-se meninas. 
O squirting está aí para provar que, embora não todas, as mulheres também podem chegar ao ápice do clímax e ejacular.


O gozo feminino, produzido na glândulas de Skene, é incolor e não possui cheiro, além de não estar relacionado a urina ou a lubrificação.


Outro ponto importante é ressaltar que a ejaculação feminina não precisa acontecer para você atingir o orgasmo, ou para que ele seja intenso. Então, nada de supervalorizar o squirt, afinal, nós sabemos que a ejaculação feminina não é facilmente alcançada, mas existem alguns métodos para te ajudar a experimentar um outro tipo prazer.


A estimulação do ponto G

É o primeiro passo para quem quer descubrir a Squirt


Embora até hoje ainda muitos afirmam que a ejaculação feminina é uma lenda ou mito, a ejaculação feminina é um fato observado em laboratório e descrito por Aristóteles e na medicina grega da antiguidade, que acreditava que o líquido expelido era importante na fecundação 


 A ejaculação feminina está descrita em várias culturas, por exemplo nos rituais tântricos da Índia


Pela análise química do líquido expelido, mostrou-se que este nada tinha a ver com a urina, e sim assemelhando-se ao líquido expelido pela próstata masculina. Algumas mulheres de hoje ainda acham que urinam ao ejacular, já que a sensação que antecede a ejaculação é muito semelhante à vontade de urinar. Porém a anatomia também comprova que isso é impossível, uma vez que o músculo pubococcígeo, que se contrai na hora do orgasmo, também é responsável pela contenção urinária.


O líquido ejaculado também não tem relação com a lubrificação vaginal, uma vez que a lubrificação é feita antes do orgasmo e é produzida pelas glândulas de Bartholin, enquanto a ejaculação acontece no clímax do ato sexual e seu líquido é produzido na glândula de Skene e liberado através das glândulas de Skene e do canal da uretra.



Todas as mulheres podem ejacular,
 a questão é que a grande maioria nem sabe que isso é possível, portanto, quando a cultura sexual numa sociedade reconhece a existência ejaculação feminina, um número maior de mulheres desenvolverá essa capacidade. Se algumas mulheres têm mais sensibilidade no ponto G, e uma conjunção de fatores psicológicos, biológicos e sociais e o conhecimento do próprio corpo, então haverá maior probabilidade de ocorrer o fato, embora não se deva esperar ver uma ejaculação similar à masculina, uma vez que a própria anatomia feminina é diferente.


A maneira mais eficiente para se chegar à ejaculação nela é através da estimulação do ponto G, com os dedos em um processo masturbatório. Existem garotas que ejaculam acionadas pelo clitóris e até mesmo pela excitação dos seios, mas isso é figurinha premiada.


Não parta para o ataque diretamente. Estimule-a com carinhos no corpo e sexo oral antes de penetrar com o dedo. Isso vai fazer com que o ponto G inche e fique mais proeminente e sensível.


A localização do ponto G varia de mulher para mulher, mas geralmente é uma saliência enrugada, oval, que se localiza abaixo do osso púbico, na parede anterior da vagina, entre sua abertura e o colo do útero.
VIBRADOR DO PONTO G


Você vai notar que é uma área mais rugosa e áspera que o normal e pode ficar duro de acordo com o grau de excitação da menina.


Pressione com a ponta do dedo enquanto com a outra mão você pressiona gentilmente a área entre o umbigo e o monte de Vênus (também conhecido popularmente como Capô de Fusca).


Provavelmente ela vai lhe dizer que está com muita vontade de urinar, mas peça a ela que não segure. Lembre-se que o instinto da mulher é prender, e você deve confortá-la e deixá-la a vontade para se soltar.
Quando ela começar a atingir o orgasmo prepare-se para ser atingido pelo líquido e a quantidade pode variar de só um ¿sprayzinho¿ para uma torrente. É bom ter toalhas por perto.


Se ela ejacular como louca, provavelmente ela vai querer dar um tempo porque a vagina fica muito sensível, portanto segure a onda e seja um cavalheiro.


Mesmo que vocês não tenham conseguido de primeira, a ejaculação feminina precisa de um pouco de prática e as posições para a menina conseguir podem variar.


De qualquer maneira é uma forma de criar mais intimidade entre os dois.
“mulheres que têm orgasmo vaginal necessitam, sim, de estímulo adequado para que isso ocorra, e esta é uma das técnicas. Pode ser que funcione ou não, mas se essa mulher for parte das 30% que tem facilidade para a ejaculação, vale a pena tentar”.





quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

CONFIRA AS RAZÕES PARA FAZER SEXO

Uma pessoa sexualmente satisfeita é mais criativa e desenvolve suas atividades profissionais com maior qualidade.
 É uma pessoa sem ansiedades e menos suscetível ao stress.
                                       Experimente 
Desfrutar de um ou dois orgasmos por semana significa mais que algo prazeroso. Segundo pesquisa apresentada pelo médico Eusebio Rubio durante o IV Congresso Cubano de Educação, Orientação e Terapia Sexual, as relações sexuais freqüentes podem diminuir significativamente a possibilidade de um homem de mais de 40 anos sofrer alguma enfermidade coronária.
No entanto, eles não são os únicos beneficiados. Para as mulheres, o sexo não somente significa prazer, mas também é o responsável por deixá-las mais belas e atrativas.





Perda de peso:

1- É possível queimar até 560 calorias em uma relação sexual.
2- O sexo é um dos exercícios mais completos que existe, já que entram no jogo todos os músculos do corpo.
Mais feliz 
3- A prática do sexo ajuda a curar as depressões leves, pois faz circular a endorfina por meio do sistema sangüíneo, o que produz uma agradável sensação de euforia e bem-estar.
4- Um encontro sexual ajuda a aumentar a auto-estima, uma vez que a pessoa se sente muito desejada.
                                    Relaxe
5- A desculpa de que "hoje não porque estou com dor de cabeça" é uma grande mentira. Fazer amor relaxa a tensão que comprime os vasos sanguíneos cerebrais, por isso, alivia as dores de cabeça.
6- É um ótimo remédio contra a insônia, já que com as mudanças bioquímicas que ocorrem durante o ato sexual o corpo relaxa e entra em um estado de sono profundo.
Menos irritada e mais atraente
7- Um corpo sexualmente ativo agrega maiores quantidades de feromônios - os hormônios da atração.
8- Fazer amor alivias as tensões nervosas. E por estar menos irritada, você consegue desempenhar melhor as atividades de sua rotina.
Saúde mental em dia
9- O sexo é o melhor tranqüilizante do mundo, muito mais eficiente que qualquer prescrição médica.
10- A prática com regularidade melhora notavelmente sua saúde mental, já que o sexo permite a liberação do excesso de adrenalina.
Beleza acentuada
11- Ao se envolver no ato sexual, a mulher produz o dobro da quantidade de estrógenos - hormônio responsável por manter a pele macia e o brilho no cabelo. Além do mais, retarda o processo da osteoporose e protege contra a hipertensão.
12- Suar (resultado inevitável do sexo) é saudável para a pele, pois contribui para a limpeza dos poros. Além de eliminar as possíveis dermatites, erupções e manchas cutâneas.
Lábios e pernas mais lindas
13- Beijar com freqüência permite que os lábios melhorem sua forma, cor e aparência.
14- Fazer amor ajuda a prevenir as celulites, uma vez que ativa a circulação dos fluídos linfáticos, que são os encarregados de eliminar bactérias, toxinas e outras substâncias que se acumulam especialmente nos músculos.
Treino esportivos
15- O sexo é divertido, excitante e, acima de tudo, grátis.
16- As relações sexuais freqüentes melhoram o condicionamento físico.
17- O sexo é um antihistamínico natural: pode desbloquear narinas congestionadas.




segunda-feira, 14 de novembro de 2011

sábado, 5 de novembro de 2011

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

FETICHE SEXUAL


Sou daquelas pessoas que defende quem deseja viver essa vida, sendo intensamente feliz, desde que NÃO prejudique drasticamente a vida do seu semelhante. E isso inclui, principalmente, a vida sexual.  NÃO quer dizer que eu curta TODOS os fetiches que eu vou citar tampouco que eu desaprove quem curte. Penso que cada indivíduo é livre para fazer as suas escolhas e arcar com as possíveis consequências.O fetichismo pode ser corporal: envolvendo partes do corpo todo ou impessoal: que envolve objetos inanimados variados. O fetichista curte partes do corpo de outra pessoa ou objetos que estejam ligados às pessoas. Tudo isso o excita intensamente. Ele NÃO consegue uma satisfação sexual se não colocar em prática o seu fetiche.


Mas muitos casais também apreciam alguns fetiches para apimentar um pouco a vida sexual.Há vários tipos de fetiches, alguns considerados até bizarros. Citarei alguns.·


Spanking: que consiste basicamente em dar palmadas no seu parceiro sexual. Pode ser usando as próprias mãos, chicote, régua, chinelo, jornal entre outros. Normalmente nas nádegas (bumbum).


A dor está ligada ao prazer, como em muitos fetiches. Há certo prazer em castigar e ser castigado.· Trampling: é para quem curte ser pisado, com pés descalços ou imensos saltos de sapato, em partes do seu corpo (costas, ventre, coxas, seios, bumbum, braços etc).


Há pessoas que adoram ser excitadas dessa maneira, pois quanto mais dor mais prazer elas sentem.

· Clamp: consiste em colocar elásticos e molas nos mamilos do parceiro sexual, controlando a intensidade da dor e do prazer.· Crossdressing: consiste em troca de roupas, adotando até comportamentos do sexo oposto ao seu. Um homem que se veste e age como mulher, e vice-versa.· Podolatria: Pés fetiche: o prazer sexual está relacionado aos pés do parceiro. É comum ocorrer massagens e até masturbação usando apenas os pés. Cada fetichista (podólatra) tem os seus pontos prediletos nos pés, como a sola, os dedos (algum específico), o tamanho dos pés, o contorno, as unhas (coloridas por esmaltes ou sem nada), pés descalços ou com meias e até calçados etc. Bondage: geralmente o prazer sexual está associado ao sadomasoquismo, sendo a maior fonte de prazer: amarrar, imobilizando o seu parceiro sexual. Pode haver penetração sexual ou não, isso depende do gosto de cada um. No bondage usa-se: cordas, mordaças, vendas de olhos, algemas (também algemas de dedos), grilhões, camisa de força, correntes, cadeados, eletros-ejaculadores, coleiras etc. Sadismo (sexual): denota a excitação e prazer provocados pelo sofrimento alheio, que pode ser físico ou psicológico. Masoquismo: é uma tendência oposta e complementar ao Sadismo, onde a pessoa sente prazer sexual ao sentir dor ou se imaginar em tal situação. Uma humilhação verbal também pode ser considerada Masoquismo. O que dá mais tesão nesse fetiche (bondage), nem sempre é a dor física, mas sim a humilhação, a sensação de inferioridade e impotência, já que a pessoa está imobilizada. O termo BDSM, significa Bondage, Disciplina, Sadismo e Masoquismo. Os praticantes de BDSM prezam pela segurança do(s) parceiro(s) envolvido. Nada é feito com o intuito de machucar ou matar ninguém, mas sim proporcionar prazer.

Ponyboy: nesse fetiche, o homem se transforma em um pequeno cavalo. A mulher que o adestra, poderá montá-lo e dominá-lo como se o fizesse a um animal de verdade. O oposto também acontece: Ponygirl.
Voyeurismo: o prazer sexual consiste em observar as pessoas, que podem estar nuas, apenas de lingerie, transando, se masturbando, dormindo, entre outros. A característica principal é que um voyeur e  NÃO toca na pessoa, que normalmente nem imagina que está sendo observada. Ele sente prazer em fazer isso “escondido”, muitas vezes, dependendo da distância, eles acabam usando até binóculos, câmeras entre outros, enquanto se masturba durante ou após observar aquele que escolheu para o seu prazer momentâneo. Acredito que muitos de nós somos adeptos ao Voyeurismo. Ou será que você nunca olhou por um buraco de fechadura ou uma janela alheia?
Maieusofilia: nesse caso, o prazer sexual consiste em transar ou apenas observar uma mulher grávida.

por: Ricardo Santos

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Tabus e Verdades Sobre : Sexo Anal


Considerado um assunto tabu por 65% das mulheres, a prática do sexo anal costuma despertar sentimentos mistos como curiosidade, excitação, vergonha e culpa. Se por um lado este tipo de penetração faz parte da fantasia de 70% dos homens e 30% das mulheres brasileiras, segundo pesquisa feita pela Universidade de São Paulo (USP), apenas 25% dos casais heterossexuais praticam o sexo anal com regularidade.

- O assunto ainda é cercado de mitos. Ele também é pouco discutido por especialistas em saúde sexual, que às vezes chegam a dar informações erradas ou não dão abertura para que seus pacientes falem sobre o tema. Ninguém conversa, mas levantamentos indicam que 17 milhões de brasileiros aprovam a prática como mais uma forma de prazer - explica o urologista
Lembramos que, como o sexo anal pode levantar uma série de inseguranças, principalmente nas mulheres, ele só deve ser feito depois de muitas conversas e com o aval dos dois.
Algumas mulheres ignoram por completo o tema e levam um susto quando o parceiro indica que quer experimentar. Outras aproveitam e usam o sexo anal como moeda de troca, e só permitem este tipo de penetração quando querem provar alguma coisa para o homem. São duas abordagens ruins que geram ansiedade, medo, dor e frustração .
Algumas mulheres usam o sexo anal como um presente sexual. É o caso de L., de 32 anos que fez um acordo com o namorado, com quem já dividia apartamento: sexo anal apenas na noite de núpcias.
.Pode ser que primeira tentativa não seja tão prazerosa. 
Portanto é necessário que o casal converse muito e que a mulher não ceda apenas para satisfazer seu parceiro. Tem que ser uma decisão conjunta pois, requer confiança, respeito e amor mútuos.
Veja suas respostas para dúvidas comuns:
Sexo anal dói?

A DOR,  costuma acontecer por causa do medo e da insegurança. Isto porque a ansiedade tensiona todos os músculos do corpo, inclusive os do ânus.
A nossa dica é usar lubrificantes à base de água e o dedo ou acessórios que, aos poucos, vão relaxando a região. 
Nada de vaselina, por ser a base de petróleo poderá gerar irritações, além de facilitar o rompimento da camisinha.
 Feito corretamente, o sexo anal não provoca sangramentos nem dor, 
no máximo uma sensação de incômodo. Para os iniciantes, ele sugere que
 o sexo anal seja feito após o orgasmo, momento em que o corpo está naturalmente mais relaxado.
 Se a pessoa estiver relaxada e mesmo assim sentir dor ou houver sangramento, é importante procurar o médico, já que isto pode ser sinal de alguma Doença.
Mulheres podem ter Orgasmo desta forma?

- Sim, o orgasmo não é só possível, como também se torna mais comum à medida que o casal se sente mais confortável com a prática. Só lembro às mulheres que, como os nervos e a textura do tecido do ânus são diferentes da vagina e do clitóris, a sensação e a intensidade do orgasmo vão ser diferentes. A masturbação simultânea e exercícios de pompoarismo ajudam a ampliar o prazer.
Existe uma posição ideal?

Nós indicamos, uma das melhores posições é a "de lado com o parceiro de costas, a posição 'da colher ou da conchinha'. Ela facilita o relaxamento, as carícias simultâneas e é a mais simples de controlar o ritmo e a intensidade da penetração".
PARA INICIANTES A 

MELHOR POSIÇÃO É SENTAR NO COLO DO PARCEIRO, O QUE DAMAIS CONFIANÇA POR ESTARNO CONTROLE, E POR DEIXAR AS MÃO  DO PARCEIRO LIVRE PARA TOCA-LA.
QUANTO MAIS EXCITAÇÃO MENAS DOR.
O ideal é que ela comande os movimentos da penetração, pois se o músculo anal se contrair poderá provocar um profundo desconforto; 

Quais os riscos de penetrar a 

vagina após o sexo anal?

Como a região é rica em bactérias e secreções fecais nem sempre visíveis, alertamos que a região vaginal nunca deve ser manipulada com os dedos, o pênis ou acessórios que foram usados no ânus sem que eles sejam lavados com água e sabonete. Sem os cuidados adequados, além das doenças sexualmente transmissíveis, é possível pegar infecções que levem à infertilidade e à pelviperitonite, infecção da bacia e do abdômen. Nas grávidas em início de gestação, as infecções podem aumentar a chance de aborto.
Posso dispensar a camisinha? 

Não. É possível contrair as mesmas doenças que costumam ser transmitidas na penetração vaginal e no sexo oral. As mais comuns são gonorréia, sífilis e herpes. Existe também um alto risco de contaminação pelo HPV, que pode levar ao câncer, e pelo HIV, já que a região tem muitos vasos sangüíneos, pouquíssima lubrificação e tecidos frágeis.
- No sexo anal, não é só mais fácil pegar como também transmitir o HIV para o parceiro. As microlesões que ocorrem no ânus e no pênis durante a relação são os locais de entrada do vírus, e a mucosa do intestino absorve o HIV com mais facilidade do que a mucosa vaginal – CUIDADO.
Sexo anal causa hemorróida?

Segundo o urologista, essa prática não causa hemorróidas, dilatação de veias retais. Porém, o sexo anal pode ser doloroso e agravar o quadro se a região já estiver inflamada.