segunda-feira, 5 de setembro de 2011

A ARTE DO POMPOARISMO

video
A ARTE DO POMPOARISMO
Torne-se uma mulher ainda mais sensual e Sedutora:
Apimente a sua vida sexual.

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do TANTRA, que consiste na contração e relaxamento dos MÚSCULOS CIRCUNVAGINAIS, buscando como resultado o prazer sexual e a SAÚDE DA MULHER


A palavra pompoar é originária do tâmil (ou tâmul), 

idioma do Sri Lanka e sul da Índia, significa o 

comando mental sobre o pubiococcígeo, os músculos 

circunvaginais e os grandes lábios da vulva.



Como essa técnica chegou ao país:

 Do circuito da pornografia aos consultórios médicos

      O pompoarismo chegou ao Brasil em meados da década de 70, mas até pouco tempo atrás ficou restrito aos circuitos de pornografia. Uma das formas de conhecê-lo era entrar em contato com o Velho Mestre, um homem de meia-idade que usava esse codinome para anunciar aulas particulares em jornais. Mas ele só ensinava jovens. E na prática: marcava o encontro num motel, manipulava os objetos na aluna e, no final, transavam "se ela quisesse". Faz mais ou menos um ano que seus anúncios desapareceram dos jornais. "A esposa e a filha descobriram e o pressionaram a parar", conta o antropólogo Mauro Cherobim, que conheceu o Velho Mestre quando elaborava um estudo sobre pornografia no Estado de São Paulo. Hoje a história é bem diferente. Quem se propõe a ensinar não toca em ninguém, fornece apostilas e reúne até cinqüenta pessoas em auditórios ou salões de eventos transformados em salas de aula. Duas das professoras mais conhecidas são a ginecologista Glene Rodrigues Faria, do ambulatório de sexualidade do Hospital Pérola Byington, em São Paulo, e Stella Alves, uma ex-aluna do Velho Mestre que afirma ter aprendido tudo "por correspondência". 






Ao aprender a técnica, a mulher consegue controlar os três anéis circum vaginais separadamente, podendo incrementar o ato sexual apenas com o movimento de seus músculos. Embora para nós, ocidentais atrasadas, a técnica seja algo ainda muito pouco explorado, em países como a índia e Tailândia  ela é passada de mãe para filha, com o objetivo de aumentar o prazer sexual da moça e de seu parceiro.




Além dos benefícios sexual o pompoarismo
fortalece os músculos pélvicos, evitando a queda de bexiga e de útero e a incontinência urinária  Em algumas mulheres pode até diminuir a cólica menstrual.
A ‘malhação íntima’ é algo que as mulheres 
deveriam entrar mais em contato.
Não só para aproveitarem o sexo melhor mas para se 
melhor.
 Muitas ainda sentem nojo de suas vulvas e vaginas, mal 


sabem o que tem entre as pernas.
 Não sabem como se dar prazer, e esperam que seus parceiros adivinhem, tornado a vida sexual uma novela cheia de cobranças, insatisfações e dores de cabeça.
O pompoarismo traz benefícios físicos, psicológicos e sexuais, e é uma coisa que pode ser praticada por qualquer mulher. Basta força de vontade e auto-conhecimento.


O QUE A MULHER PODE FAZER COM POMPOAR:



Revirginar:  é contrair com tanta força o esfíncter vaginal, que é o músculo de entrada da vagina, o que impede ou dificulta muito a penetração do pênis/vibrador, possibilitando simular virgindade.
Ordenhar: é contrair individualmente os anéis circunvaginais de forma sequêncial, pressionando o pênis/vibrador, começando da entrada da vagina em direção ao útero, com força média.
Chupitar: é imitar com a vagina a movimentação que os bebês fazem com a boca quando estão mamando ou usando a chupeta.
Sugar: é chupar o pênis/vibrador com a vagina.
Massagear: o pênis/vibrador é massageado nas intensidades fraca, média ou forte.
Morder: é a pratica utilizada freqüentemente para retardar o orgasmo do homem. Consiste em contrair fortemente o anel circunvaginal que circunda o pescocinho logo abaixo da glande do pênis.
Guilhotina: é uma “mordida” com muita força.
Algemar ou agarrar: é contrair com tal força a musculatura vaginal, impedindo a saída do pênis/vibrador.
Expulsar: é quando a vagina expele o pênis, vibrador, banana, pepino, etc.
A combinação aleatória desses movimentos vai gerar uma gama enorme de seqüências que podem proporcionar grande prazer sexual, levando ambos os parceiros a orgasmos múltiplos.
 Nos consultórios, ensina-se uma ginástica muito semelhante ao pompoarismo, baseada na técnica do ginecologista americano Arnold Kegel.
Nos anos 50, ele recomendava às pacientes que contraíssem e relaxassem os músculos vaginais 500 vezes por dia. A quantidade de repetições era um exagero, como se comprovou mais tarde, mas os exercícios surtem resultados positivos: previnem e tratam problemas como flacidez pós-parto e incontinência urinária.  
CONHECENDO A SUA MUSCULATURA VAGINAL:
Musculatura do Assoalho Pélvico  (MAP)
O que ela faz?
externa da região do períneo, que vai da sínfise púbica (osso palpado um pouco acima do clitóris) até o cóccix (final da coluna vertebral, logo acima do ânus).
À direita, o esqueleto da mesma região, fechado pela musculatura do assoalho pélvico (MAP). Esta abertura é o canal de parto.

A MAP está disposta como uma cama elástica sobre a qual repousam os órgãos pélvicos (útero, bexiga, ovários, etc). É perfurada por três canais (uretra, vagina e reto), que são amassados quando essa musculatura é contraída.
Ela circunda, como um grande anel, a porção mais externa do canal vaginal (a cerca de 3 cm para dentro, logo após a entrada). Esta altura, onde a MAP atravessa a vagina, é conhecida como linha da MAP (veja na figura abaixo).
É a MAP a responsável pela sensação de pressão sentida no ato sexual e na penetração, tanto pela mulher quanto pelo parceiro justamente naquela altura da vagina. É também o único local da vagina onde pode ser sentida alguma contração muscular voluntária (por vontade própria).
Como a MAP controla a pressão vaginal, o fluxo de urina, gases, fezes e ainda as posições dos órgãos pélvicos?
Ao ser contraída, a MAP suspende os órgãos pélvicos, mantendo-os em suas posições normais e evitando que os ligamentos (que amarram esses órgãos aos ossos, como cordas) sejam sobrecarregados e lesionados.
Por estar situada no final (saída) da uretra, da vagina e do reto, esta contração também faz uma constrição (aperto circular, como num nó) ao redor destes canais, auxiliando nas funções de cada um deles:

1. constrição da uretra - ajuda no controle do fluxo urinário ao manter a uretra bem apoiada e fechada;
2. constrição do reto - ajudam no controle do fluxo de gases e fezes, valvulando o reto em ação conjunta ao esfíncter anal;
3. constrição da vagina - mantém o "tônus" vaginal (vagina "apertada"), ao pressioná-la contra a sínfise púbica.
Todos os músculos que compõem o assoalho pélvico são ativados por um único nervo (chamado pudendo). Na prática isto significa que não é possível contrair um deles isoladamente sem contrair todo o resto ao mesmo tempo, e ao redor dos três canais simultaneamente. É impossível contrair, por exemplo, apenas ao redor da vagina enquanto se relaxa a porção ao redor do ânus.
Mesmo que a contração seja uma só, para que a mulher esteja familiarizadaMAP é importante que ela perceba a ação da musculatura sobre cada um dos três canais isoladamente. Como não é possível contrair ao redor de apenas um deles, foram criados 3 testes práticos. Cada um dos testes, em separado, volta a atenção da mulher para a ação da MAP sobre cada um dos canais: uretra, vagina e reto.
Importante: Tente respirar de maneira lenta e profunda durante os testes práticos. Jamais tranque a respiração, pois a possibilidade de os abdominais estarem indesejavelmente sendo contraídos ao invés da MAP é muito maior.
TESTE SUA MAP!
Percebendo a MAP: Levantando / Fechando o Ânus
O maior músculo da MAP é conhecido na literatura médica como "músculo elevador do ânus". Isto porque, durante a contração, pode-se vê-lo e sentí-lo claramente puxando aquele canal para cima.
Para este teste, a mulher deve concentrar-se em contrair os músculos ao redor do ânus, puxando-o para cima, fechando-o, como que tentando reter um gás.
Logo que conseguir sentir essa musculatura contraindo, a mulher deve contrair o mais forte possível e sustentar essa contração por 10 segundos, para testar a resistência dos músculos ao cansaço.
O insucesso na contração pode indicar falta de coordenação motora ou falta de força da MAP. Em outras palavras, ou a mulher não está sabendo como contrair a musculatura, ou a fraqueza já é bastante avançada. Em ambos os casos é indicados o fortalecimento e recuperação da MAP, devendo-se procurar auxílio profissional imediato.
Caso a mulher consiga contrair a musculatura de forma eficaz, mas falhe ao sustentar a contração pelos 10 segundos, os músculos provavelmente estão começando a enfraquecer. Deve ser dada atenção a este fato, pois o enfraquecimento é progressivo em qualquer idade, e muito mais rápido após a menopausa, e pode trazer consequências danosas.
 Percebendo a MAP Controlando o Fluxo Urinário:
 Outra ação da MAP é auxiliar no controle do fluxo urinário. Quando contraída, essa musculatura (desde que sadia) têm a propriedade de apertar a uretra, estancando totalmente o fluxo de urina.

Portanto, esta identificação pode ser realizada facilmente ao urinar.
 Após começar a urinar, a mulher deve trancar abruptamente o fluxo de urina. Se conseguir, a MAP está sendo contraída eficazmente, e portanto o grupo muscular foi identificado com sucesso.
Caso a MAP esteja enfraquecida, a mulher pode conseguir apenas diminuir sutilmente a velocidade do jato de urina, porém sem estancar totalmente o fluxo.
Caso haja falta de coordenação motora, mesmo que a força de contração esteja normal, a mulher pode também não conseguir estancar o fluxo urinário. É comum por exemplo que ao invés de contrair a MAP, a mulher contraia os abdominais: neste caso o aumento na velocidade do fluxo de urina (jato mais forte) é sinal de que a musculatura contraída foi a abdominal, e não a do assoalho pélvico.
Este teste é útil para a mulher inclusive após o início dos exercícios, para que ela mesma possa verificar seus avanços durante o treinamento: quanto mais fácil segurar o jato, mais forte está ficando a MAP.
Esta manobra é um teste: pode ser realizada no máximo uma vez por mês. Nunca realize-a como forma de treino (diariamente ou toda semana), sob o risco de refluxo de urina para os rins e outras complicações.

 Percebendo a MAP Fechando a Vagina:
 A MAP é responsável pela pressão intravaginal sentida tanto pela mulher quanto pelo parceiro durante o ato sexual.
Portanto, para este teste, a mulher deve concentrar-se simplesmente em perceber a MAP ao redor da vagina: ela está localizada a apenas alguns centímetros da entrada do canal vaginal, ou seja, logo na entrada, a cerca de 3 cm.

Um auxílio bastante útil é a inserção de um ou dois dedos no canal vaginal, para que se possa sentir a musculatura contraindo ao redor deles.
Caso a MAP esteja enfraquecida, esta sensação ao redor dos dedos pode ser difícil de perceber - ou até impossível. Mas nem sempre a não sensação da contração é causada por fraqueza: em alguns casos a falta de coordenação motora pode ser a responsável.
Importante:
 Toda a MAP se contrái ao mesmo tempo, portanto a contração para os três testes abaixo é exatamente a mesma! O segredo é concentrar-se em perceber a MAP atuando individualmente sobre cada um dos três canais. Pelo mesmo motivo, a mulher que encontrar dificuldade em qualquer um dos três testes, deve ter dificuldade nos demais.










10 comentários:

  1. Em quanto tempo de treinamento consigo os primeiros resultados?

    ResponderExcluir
  2. já na Primeira semana começa a perceber diferença. Só os axercícios de auto conhecimento ja faram com que voce note diferença no seu desempenho sexual.

    ResponderExcluir
  3. comecei a praticar o pompoarismo 2 meses e os resultados são incríveis. comecei a ter orgasmos mais intensos. e já consegui ate orgasmo múltiplo.
    acho que o grande barato e o auto conhecimento. descobrir o meu próprio prazer.
    meu marido tambem percebeu uma grande diferença.
    não e algo fácil tem que realmente te perseverança como em uma academia mesmo. mais é muito legal.

    ResponderExcluir
  4. O pompoarismo e mesmo como academia tem que ter muita perseverança sim. mais os resultados compensam o sacrifício. sem dúvida.

    ResponderExcluir
  5. DEPOIS QUE CONHECI O POMPOARISMO MINHA VIDA REALMENTE MUDOU. TENHO 54 ANOS E QUANDO IA TOSSIR SAIA UM POUCO DE URINA INVOLUNTARIAMENTE.
    TAMBÉM TINHA GRANDE DIFICULDADE EM SENTIR PRAZER.
    MEU MEDICO ME ACONSELHOU E JÁ NOS PRIMEIROS EXERCÍCIOS SENTI UMA MUDANÇA MUITO GRANDE.

    ResponderExcluir
  6. O POMPOARISMO AJUDA A MULHER QUE
    NUNCA TEVE ORGASMO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o pompoarismo Fara não Só que a mulher tenha orgasmos. mais com muita facilidade.

      Excluir
  7. Achei super interessante essa matéria, gostaria de realmente aprender a técnica. Tenho 16 anos e sou virgem, mas gostaria de gozar já na primeira relação, por isso me interessei pela técnica. Fiquei com uma dúvida, quais são os exercícios que tenho que fazer? Pelo que entendi do texto, só vimos os exercícios de auto-conhecimento, para reconhecimento dos 3 canais que perfuram a MAP e na figura só tem 2 exercíos, mas tem junto exercícios de braço. Fiquei com essa dúvida se puder, me ajuda aí. Obrigado ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Só Tem um problema, Nosso Blog tem conteudo adulto Você não poderia acessar.
      Só maiores de 18 anos. Discordo da nossa legislação mais infelizmente temos que segui-la.
      por esse motivo te peço para me enviar email com Essa Pergunta para ousadia_sensual@hotmail.com
      Terei imenso Prazer em te orientar ok?
      Obrigada por participar .

      Excluir